e

pass

sábado, 26 de março de 2011

Fábulas; A cigarra e a formiga boa, A raposa e a cegonha,

A CIGARRA E A FORMIGA BOA




HOUVE UMA JOVEM CIGARRA QUE TINHA O COSTUME DE CHIAR AO PÉ DO FORMIGUEIRO. SÓ PARAVA QUANDO CANSADINHA; E SEU DIVERTIMENTO ERA OBSERVAR AS FORMIGAS NA ETERNA FAINA DE ABASTECER AS TULHAS.

MAS O BOM TEMPO AFINAL PASSOU E VIERAM AS CHUVAS, OS ANIMAIS TODOS, ARREPIADOS, PASSAVAM O DIA COCHILANDO NAS TOCAS.

A POBRE CIGARRA, SEM ABRIGO EM SEU GALHINHO SECO E METIDA EM GRANDES APUROS, DELIBEROU SOCORRER-SE DE ALGUÉM.

MANQUITOLANDO, COM UMA ASA A ARRASTAR, LÁ SE DIRIGIU PARA O FORMI- GUEIRO. BATEU – TIQUE, TIQUE, TIQUE...

APARECE UMA FORMIGA FRIORENTA, EMBRULHADA NUM XALINHO DE PAINA.

- QUE QUER? – PERGUNTOU, EXAMINANDO A TRISTE MENDIGA SUJA DE LAMA E A TOSSIR.

- VENHO EM BUSCA DE AGASALHO. O MAU TEMPO NÃO CESSA E EU...

A FORMIGA OLHOU-A DE ALTO A BAIXO.

- E QUE FEZ DURANTE O BOM TEMPO QUE NÃO CONSTRUÍ A SUA CASA?

A POBRE CIGARRA, TODA TREMENDO, RESPONDEU DEPOIS DUM ACESSO DE TOSSE.

- EU CANTAVA, BEM SABE...

- AH!... EXCLAMOU A FORMIGA RECORDANDO-SE. ERA VOCÊ ENTÃO QUE CANTAVA NESSA ÁRVORE ENQUANTO NÓS LABUTÁVAMOS PARA ENCHER AS TULHAS?

- ISSO MESMO, ERA EU...

POIS ENTRE, AMIGUINHA! NUNCA PODEREMOS ESQUECER AS BOAS HORAS QUE SUA CANTORIA NOS PROPORCIONOU. AQUELE CHIADO NOS DISTRAÍA E ALIVIAVA O TRABALHO. DIZÍAMOS SEMPRE: QUE FELICIDADE TER COMO VIZINHA TÃO GENTIL CANTORA! ENTRE, AMIGA, QUE AQUI TERÁ CAMA E MESA DURANTE TODO O MAU TEMPO.

A CIGARRA ENTROU, SAROU DA TOSSE E VOLTOU A SER A ALEGRE CANTORA DOS DIAS DE SOL.

Monteiro Lobato



Ilustre e pinte o texto com capricho e
























1) Leia o texto com atenção

2) Enumere os parágrafos

3) Responda as questões no caderno .

a) Qual é o título do texto?

b) Quem são os personagens?

c) Quem é o autor dessa fábula?

d) Que tipo de texto é este? Explique.

e) O que a formiga fez durante o verão? E a cigarra?

f) Você acha que a formiga fez bem em abrigar a cigarra? Por quê?

g) Que moral você inventaria para essa fábula?

h) Qual é diferença entre essa fábula e a de Esopo?

_________________________________________________________________________

a) Qual é o título do texto?

b) Quem são os personagens?

c) Quem é o autor dessa fábula?

d) Que tipo de texto é este? Explique.

e) O que a formiga fez durante o verão? E a cigarra?

f) Você acha que a formiga fez bem em abrigar a cigarra? Por quê?

g) Que moral você inventaria para essa fábula?

h) Qual é diferença entre essa fábula e a de Esopo?





TEXTA Raposa e a cegonha – texto 1



A Comadre Raposa, apesar de mesquinha,

tinha lá seus momentos de delicadeza.

Num dos tais, convidou a cegonha, vizinha,

a partilhar da sua mesa.

Constava a refeição de um caldo muito ralo,

servido em prato raso. Não pôde prová-lo

a cegonha, por causa do bico comprido.

A raposa, em segundos, havia lambido

todo o caldo. Querendo desforrar-se

da raposa, a comadre um dia a convidou

para um jantar. Ela aceitou

com deleite do qual não fez disfarce.

Na hora marcada, chegou à casa da anfitriã.

Esta, com caprichoso afã,

pedindo desculpas pelo transtorno,

solicitou ajuda pra tirar do forno

a carne, cujo cheiro enchia o ar.

A raposa, gulosa, espiou o cozido:

era carne moída – e a fome a apertar!

Eis que a cegonha vira, num vaso comprido

e de gargalo fino à beça,

todo o conteúdo da travessa!

O bico de uma entrava facilmente,

mas o focinho da outra era bem diferente;

assim, rabo entre as pernas, a correr,

foi-se a raposa. Espertalhão, atente:

quem hoje planta, amanhã vai colher!



(La Fontaine, Jean de. Fábulas de La Fontaine. Tradução de Milton Amado e Eugênio Amado.

Belo Horizonte: Villa Rica Editoras Reunidas Ltda., 1992. v. I, p. 117-118.)



A Raposa e a cegonha – texto 2



Um dia a raposa convidou a cegonha para jantar. Querendo pregar uma peça na outra, serviu sopa num prato raso. Claro que a raposa tomou toda a sua sopa sem o menor problema, mas a pobre da cegonha com seu bico comprido mal pôde tomar uma gota. O resultado foi que a cegonha voltou para casa morrendo de fome. A raposa fingiu que estava preocupada, perguntou se a sopa não estava do gosto da cegonha, mas a cegonha não disse nada.

Quando foi embora, agradeceu muito a gentileza da raposa e disse que fazia questão de retribuir o jantar no dia seguinte.

Assim que chegou, a raposa se sentou lambendo os beiços de fome, curiosa para ver as delícias que a outra ia servir. O jantar veio para a mesa numa jarra alta, de gargalo estreito, onde a cegonha podia beber sem o menor problema.

A raposa, amoladíssima, só teve uma saída: lamber as gotinhas de sopa que escorriam pelo lado de fora da jarra. Ela aprendeu muito bem a lição. Enquanto ia andando para casa, faminta, pensava:“Não posso reclamar da cegonha.

Ela me tratou mal, mas fui grosseira com ela primeiro”.



Moral: Trate os outros tal como deseja ser tratado.



(Ash, Russell; Higton, Bernard (Comp.). Fábulas de Esopo. Tradução de Heloisa Jahn.

São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1990. p. 36.)































2 comentários :

Postar um comentário

shoptime

shoptime

shoptime